Solo na dança é quando o bailarino se apresenta sozinho. Um momento esperado em toda sua carreira, quando ele possui a honra de estar no palco com a atenção voltada apenas para ele. Quando pode se entregar completamente ao momento e se permitir ser caminho para que algo maior se manifeste, transceda, ilumine.

 Já teve a sorte de presenciar o momento em alguma performance em que o bailarino parece flutuar em outra dimensão? Parece iluminar o espaço com uma luz que vem de dentro pra fora? São aparições raras, onde você sente uma força maior que sobe por dentro de você e te impede de segurar um "BRAVO!" emocionado. 

 É a magia contida na arte. Contida em se permitir ser caminho. Se permitir iluminar. 

 Permita-se ser. Permita-se ao próprio momento solo.

 

Técnica mista sobre tela 130x90x4cm

Tinta acrílica, carvão vegetal e água

 

Não acompanha moldura

 

Envio por Jadlog em função das medidas (acima do limite dos correios).

Solo

R$ 2.000,00Preço
  • - Manuseie sempre com as mãos limpas e secas.
    - Emoldure em lojas especializadas. Se possível, para as Artes em papel, opte pela opção com passepartout, ele é um grande aliado na proteção de sua Arte.
    - Mantenha a Obra em local seco e oxigenado (com troca de ar). Não instale em locais com exposição solar direta e/ou umidade.
    - Ao limpar, use apenas um pano macio ou espanador para retirada de poeira. Sempre com leveza, sem gerar atrito com a pintura. Não utilize produtos químicos ou água.
    - De tempos em tempos, retire a Obra da parede para permitir a oxigenação e acesso da luz na parte posterior do quadro, a fim de evitar a criação de mofo ou umidade, assim como a permanência de insetos/ traças...

     

    Importante: lembre-se de sempre contemplar sua Arte :)

DEPOIMENTOS

"Vai trazer poesia pro meu dia assim que enquadrar"

C. Athaydee

"Apaixonada por seu trabalho e feliz da vida de tê-lo abrindo a minha mais nova parede composta. Parabéns, Mariana!"

F. Trebilcock

"Já me emocionei com o cuidado e o carinho em cada detalhe. Muito obrigada mais uma vez."

C. Silva