MOLDURAS: Como escolher?

Atualizado: Set 18

As molduras dão o tom e participam da decoração de um ambiente, ao mesmo tempo que se incorporam as obras de arte e podem lhe agregar maior valor ou desmerecer tal obra quando mal escolhidas, além de protegê-las do desgaste causado pelo tempo, poeira e ácaros e, portanto, são peças de importância chave e requerem certo cuidado na hora da escolha.

Nesse post vamos dar algumas informações e ensinar alguns truques e regrinhas pra você ser apto pra segui-las ou não e ainda assim fazer a melhor escolha :) vamos lá?


Primeiro passo: Entender a decoração do restante da sua casa e qual estilo você quer adotar para as molduras.

Você pode seguir o mesmo estilo do restante, por exemplo: molduras retas, simples nas cores branca ou preta para uma casa minimalista; ou você pode ir na contramão e brincar com os contrastes, por exemplo: molduras antigas e misturadas com cara de "comprei num antiquário" para essa mesma casa minimalista. Confesso que gosto das duas opções, vai do seu gosto mesmo!

O importante é que você defina nesse primeiro momento qual estilo quer adotar pra não ficar ainda mais perdido quando chegar na molduraria.



Segundo passo: Buscar a combinação de acordo com a obra de arte em si.

Nas moldurarias é comum que você se depare com aqueles murais contendo diversos tipos de moldura expostos, todos os disponíveis naquela loja estarão ali. O ideal é você levar sua arte e ir testando até encontrar uma moldura que combine com a obra.


Dicas:

-Molduras em tons mais claros como bege ou branco, ressaltam as cores da obra.

-As pinturas, gravuras ou fotografias em preto e branco, monocromáticas e/ou com linhas mais simples, combinam com molduras mais leves, linhas retas.

-Imagens fortes, podem pedir uma moldura mais imponente, como se a força das linhas presentes na moldura servissem para conter a força da obra, mantendo-a em destaque sem distrair o olhar de quem observa.

-É interessante buscar algum tom presente na arte e trazer para a moldura, brincar com esse jogo de dentro/fora da obra.


Terceiro passo: Passe-partout ou paspatur no bom e doce português.

É aquela peça que fica entre a moldura e o quadro, normalmente feito em papel, pode ser usado em diversas cores e tamanhos e isso, sinto dizer, também é você que define na hora de emoldurar sua obra rs mas sem desesperos:

O paspatur pode servir para dar profundidade e perspectiva para a obra, para aumentar o tamanho da moldura, trazendo ênfase para obras de menor tamanho e valorizar as obras no geral, além do aspecto funcional de separar a obra do contato direto com o vidro, aumentando a proteção e cuidado com a obra.

Falando em vidro, ele também é muito importante para proteção e valorização da arte. Se puder, invista nos antirreflexivos para não ficar se incomodando com os reflexos das luzes e todo o entorno do quadro atrapalhando a visão.


Dicas:

-Uma obra mais simples e/ou de menor tamanho pode ganhar valor quando exposta em uma moldura côncava, que são aqueles modelos mais fundos, também conhecidas como moldura-caixa e um paspatur de maior tamanho para engrandecer a arte.

-Quando for expor uma série de pinturas ou fotografias, é interessante manter a mesma escolha de modelo, tamanho e cor das molduras, para dar continuidade ao trabalho e deixar claro que fazem parte de uma sequência.


Quarto passo: Composição.

Se definir as molduras já é tarefa complicada, organizar a composição pode ser mais assustador ainda, mas a verdade é que você pode montar como quiser e existem milhares de arranjos prontos pra lhe dar um norte! Vamos as noções básicas primeiro:


Altura: O eixo do quadro quando sozinho ou o eixo da composição deve ficar na altura do olhar do observador, evitando que a pessoa precise deslocar a cabeça para cima ou para baixo para ver o todo. Uma boa altura para isso, baseado na média de altura das pessoas no Brasil, é entre 1,55m e 1,70m. Você pode se basear na média das alturas dos moradores da casa também, mas lembre-se de se guiar pela altura dos olhos e não pela altura total, ok?


Posicionamento: Você pode se guiar por algum móvel que queira destacar junto aos quadros, como uma mesa de jantar ou um sofá, por exemplo, centralizando um quadro grande no eixo do móvel escolhido ou o eixo da composição.


Proporção: É legal ficar atento para os tamanhos das paredes e a distância existente para a observação dos quadros pois os quadros maiores, por exemplo, precisam de mais espaço para serem vistos sem gerar desconforto e os pequenos podem ser expostos em locais que permitem uma aproximação.


Dica:

Evite posicionar os quadros menores muito próximos uns dos outros, para manter a identidade de cada um. O ideal é posicioná-los alinhando pelo topo das molduras.



Agora que você já entendeu os princípios básicos da composição de quadros, vamos falar sobre alguns exemplos:


Composição monocromática:

Para quem se identifica mais com o estilo minimalista, essa composição forma uma identidade única para a composição. Basta escolher uma moldura reta, simples e manter a mesma cor e modelo para todas as artes.

Para esse estilo, você pode escolher todas as molduras do mesmo tamanho e alinhar, criando uma espécie de xadrez - simples, limpo e lindo, ou pode alinhar algumas pelo topo e desencontrar outras.



Dica importante:

Quando for desalinhar as molduras, mantenha uma diferença de no mínimo 5cm, para não parecer que foi um erro, ta bem?


Composição mista:

Brinque com diferentes tipos de molduras e posições. Vale tudo, misture os materiais das molduras, os tamanhos, estilos! Depois é só delimitar a área total da composição e ir encaixando os quadros dentro desse limite.



Composição em prateleira:

Pra esse estilo de composição, você vai instalar uma prateleira daquelas fininhas próprias pra suporte de molduras e espalhar os quadros sobre ela. Nesse caso é legal mesclar tamanhos diferentes de molduras e brincar com as posições, vale colocar um quadro menor passando um pouco por cima de outro maior e por aí vai.

O interessante desse modelo é que você pode mudar as posições e até mesmo os quadros quantas vezes quiser sem muito trabalho e ter sempre a sensação de casa nova :)

Também pode ser utilizado substituindo a prateleira por outros móveis como aparadores, por exemplo!


Composição de diferentes jeitos na mesma parede:

Para um ar mais despojado, invista no mix de composições. Pode colocar uma prateleira menor com quadros de um lado e um quadro maior por fora, por exemplo.


Composição com diferentes elementos:

Sua composição não precisa ser composta apenas por quadros, vale misturar também outros tipos de objetos decorativos como pratos, luminárias, escritos em neon e tudo mais que sua imaginação permitir!



Composição tipo galeria:

"Gallery wall" é um estilo onde a parede fica completamente tomada por quadros, que podem ter diferentes tamanhos, estilos.. brinque com as possibilidades, vale apoiar alguns quadros maiores no chão também.


Pra finalizar, é legal lembrar que existem milhões de possibilidades e que, no fim, o que importa mesmo é você ficar satisfeito com o resultado :)


Vou deixar mais algumas imagens com exemplos aqui embaixo:


Espero ter ajudado,

não se esqueça de curtir o processo de transformação da sua casa!

Beijo grande,

Mariana


Mariana Studio

eumariana.st@gmail.com

Rio de Janeiro, Brasil

CNPJ 31.490.117/0001-24

Envios toda quarta-feira

Receba novidades em primeira mão:

© Todos os direitos reservados / Mariana.Studio. 

  • Black Instagram Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black Facebook Icon